sábado, 25 de março de 2017

Língua Afiada: Um dos que foi ou Um dos que foram?




Muitos falam e escrevem assim: o time tal foi um dos que "jogou" bem essa semana. E tenho observado que o equívoco tem se alastrado com muita força passando pelos redatores e chegando até a políticos adeptos aos discursos! O correto é O time tal foi um dos que jogaram bem essa semana.
Thaís Nicoleti diz que a construção “um dos que” é sempre um convite à confusão – as pessoas hesitam entre fazer o verbo concordar com “um” (ou “uma”) e fazê-lo concordar com o pronome “os” (ou “as”) que está contraído com a preposição “de”. Esse pronome demonstrativo (“os” nessa construção equivale a “aqueles”) é o antecedente do pronome relativo “que”, portanto, é com ele que se faz a concordância verbal. Ninguém diria “as que perdeu a disputa foram...”, portanto, também não se deve dizer “uma das que perdeu a disputa”.
Não há problema algum se uma pessoa ou outra cometa esse erro, mas ele não fica bem quando é cometido por exemplo, por comunicadores na TV, rádio ou jornal/revista e por políticos e/ou empresários na hora de falar em público. É essencial que eles estejam atentos, porque são multiplicadores.
O expert Sérgio Nogueira garante que a concordância deve ser feita no plural: “Ele é um dos que FIZERAM o trabalho”; “Ela é uma das atrizes que FORAM PREMIADAS no festival de Gramado”.

Até a próxima!

sexta-feira, 24 de março de 2017

Peça reinventa último dia de Luther King

                                                                                      
Lázaro Ramos e Taís Araújo em peça que já alcançou a marca de 50 mil espectadores chega a Uberaba
Imagem: Lenise Pinheiro/Folhapress

                                                                                              
Depois do sucesso em São Paulo e no Rio de Janeiro, a peça “O Topo da Montanha”, com Lázaro Ramos e Taís Araújo, chega a Uberaba, no Cine Teatro Municipal Vera Cruz, em curtíssima temporada. Elogiada pela crítica, a peça atingiu a marca de 50 mil espectadores e foi reconhecida com a indicação ao Prêmio Shell de Melhor Atriz para Taís Araújo.
O público de Uberaba vai assistir ao espetáculo em abril, nos dias 8 (sábado), 21h, e 9 (domingo), 19h. O ingresso custa R$ 90 (inteira) e R$ 45 (meia). A classificação é 12 anos. A produção local tem a assinatura de Tonico Carvalho Produções. 
O casal imbatível, o par mais poderoso do showbiz, segundo a revista Veja, encena a peça que reinventa o último dia de Martin Luther King, o pastor protestante e ativista político que se tornou ícone por sua luta pelo amor ao próximo e pelo repúdio à segregação racial norte-americana.
Um dia antes de seu assassinato na sacada do quarto 306 do Hotel Lorraine, que Luther King, interpretado por Lázaro, conhece a camareira Camae, vivida por Taís. Cheia de segredos, ela confronta o líder em clima que mistura suspense e deboche. Num perfeito jogo de provocações, Camae faz com que o reverendo se lembre de que, como todos, é humano. 

       Foto Jorge Bispo
À imprensa, Lázaro conta que este texto o perseguiu como ator por dois anos, por meio de pessoas que diziam que ele tinha de fazê-lo no Brasil. "E é contemporâneo porque é uma história também sobre enfrentar medos. Sobre os trilhos da coragem e do afeto”, resume. Taís diz que os dois tinham muito receio de que o texto fosse americano demais e não tocasse as pessoas. "Mas o tempo e uma boa tradução nos convenceram que as questões do amor e da igualdade são relevantes e próximas a todos nós”, complementa.
Por meio do humor e da emoção, faz rir e pensar com retórica atual, seja para americanos ou brasileiros. A montagem com texto da jovem dramaturga americana Katori Hall, estreou em Londres e ganhou versão na Broadway. No Brasil, é protagonizada e produzida por Lázaro e Taís, com direção de Lázaro Ramos e codireção de Fernando Philbert.



Serviço
Peça O Topo da Montanha, com Taís Araújo e Lázaro Ramos
Dias: 8 e 9 de abril - Sábado, 21h e Domingo, 19h
Ingressos à venda na loja O Tremendão (rua Ituiutaba, 10) - vendas somente em dinheiro

quinta-feira, 23 de março de 2017

Terapeuta vem a Uberaba para constelações



A Constelação Familiar é uma abordagem terapêutica que se utiliza dos conhecimentos de ancestralidade e das ordens do amor em família. Durante a Constelação a pessoa coloca um tema, e a busca da sua solução de cura será desenvolvida pelo constelador, seguindo os movimentos que surpreendentemente se revelam. As Constelações vão ajudar a pessoa a aceitar pai e mãe, incluir os excluídos, separar o que está misturado, quebrar padrões negativos repetitivos,
dar e receber com equilíbrio, harmonizar o masculino e o feminino e honrar 
a família e ter permissão para seguir e ser feliz!


O terapeuta Mário Lúcio Silva estará em Uberaba neste fim de semana: sexta (24), sábado (25) e domingo (26) para realizar constelações familiares, em uma parceria com a Ayurvida Terapias Naturais e Inventaria de Ideias. As constelações familiares são terapias vivenciais que buscam alinhar as decisões pessoais durante uma sessão de autoconhecimento. “Ela toma dinâmicas específicas para cada pessoa. Cada um terá uma constelação desenhada pela força de cura que ela precisa”, explica Mário Lúcio.

                                                                           
As constelações, acrescenta,distribuem as energias corretamente, buscando não sobrecarregar as pessoas. Apesar de ter uma característica freudiana de encontrar respostas para sofrimentos nas relações familiares, observa que a constelação não é um ramo da Psicologia, tampouco tem ligações com religiões, apesar de similaridades com o espiritismo e outras de matrizes indianas.
Explica que as constelações familiares são realizadas por meio de agendamento prévio pelo WhatsApp 34 9 9978-5724. Há ainda oportunidades para quem deseja conhecer o trabalho de Mário Lúcio. Quem tiver interesse em acompanhar uma sessão neste domingo (26) ou conhecer mais detalhes sobre a terapia pode entrar em contato.

Sobre Mário Lúcio Silva
É educador, professor de Física, professor de Yoga, terapeuta ayurvédico, terapeuta em Constelações Familiares. Através de seu interesse pelas "Ordens Familiares", estudando as tradições antigas como as da Índia e dos Índios brasileiros, resgatando as tradições das avós mineiras, Mário Lúcio criou o método "Alinhamento Ancestral", que unido à abordagem das Constelações Familiares de Bert Hellinger compôs este trabalho para o ordenamento familiar. É também professor convidado para "Ancestralidade e Ordem nas Ações em Valores Humanos". Atende na Ayurvida – Espaço de Terapias Naturais em Patos de Minas, São Gotardo e Belo Horizonte-MG.



+ informações pelo e-mail
inventariadeideias@gmail.com
ou pelo WhatsApp 34 99978 5724

domingo, 12 de março de 2017

Dandô apresenta Taynara em Uberlândia



                                                 Foto Ruth Gobbo
 


Público de Uberlândia será presenteado com show especialíssimo do multitalentoso Marcelo Taynara, atração neste sábado, 18, às 20h, no Teatro de Bolso, do premiado “Dandô – Circuito De Música Dércio Marques”, contemplado em 2014 com o “Prêmio Brasil Criativo” do governo federal, na categoria “Música” como o melhor projeto de circulação de artistas do país, coordenado por ele, em Uberaba.
Natural de Conceição das Alagoas (MG), Taynara foi conquistado por Uberaba, onde decidiu morar, trabalhar e constituir família. Lembro-me da primeira entrevista que fiz com o então garoto recém-chegado de sua pequena cidade natal, cheio de sonhos e sem certeza do que representaria a sua escolha por viver da sua arte. Extremamente tímido e com peculiar simplicidade, ele não pensava em fama ou dinheiro, mas em espalhar seu canto para o mundo de uma maneira natural, instintiva e tomada por uma indescritível emoção.
Taynara iniciou na música com dez anos de idade, tocando bateria e cantando em bandas, viajando por grande parte da Brasil e América Latina. Suas composições trazem os elementos de sua descendência negra e indígena brasileira, os ritmos do estado de Minas Gerais, a influência da bossa-nova, Villa Lobos, samba e música latino-americana. Suas raízes estão igualmente representadas em imitações com efeitos vocais de pássaros, cachoeiras, animais silvestres, e outros sons da natureza e de percussão, uma marca peculiar do artista. Suas canções são simples, ternas e cuidadosamente elaboradas - ressaltando a pureza das intenções e a urgência de se adotar o sentimento como bússola da vida.



Discografia
Primeiro CD, “A Cor De Minas” - 2000
Segundo CD, “Sete Colinas”, em parceria com o violonista Sérgio Ramos - 2001
Terceiro CD, “Pilão Marcado”, gravado com participações especiais, entre outros de Saulo Laranjeira - 2008
Primeiro DVD, “Cantos E Congos”, ao vivo - 2012
Quarto CD, “Pilão Marcado Ao Vivo” - gravado em 2010 lançado em 2012
Segundo DVD, “Pilão Marcado”, gravado em 2008 e publicado em outubro de 2013.
Quinto CD, “Pretinha”, produzido por Jonas Pheer - 2014
Sexto CD, “Marcelo Taynara e Banda Outubro Ao Vivo na Praça Da Concha Acústica” - 2014



Serviço
Show Marcelo Taynara - “Dandô – Circuito De Música Dércio Marques”
Data: Sábado, 18 de março de 2017
Horário: 20h
Teatro de Bolso - Rua Olegário Maciel, 255 - Uberlândia



quarta-feira, 8 de março de 2017

Tributo Legião vem a Uberaba dia 18




A apresentação de Somos Tão Jovens - Tributo Legião em Uberaba abre a turnê 2017 da banda que estreou em 2016 e é sucesso por onde passa. Será no dia 18 (sábado), às 21h, no Cine Teatro Vera Cruz. Personificado como um dos maiores ídolos do rock nacional, Renato Russo morreu jovem, com apenas 36 anos (1960-1996), mas deixou uma legião de fãs e um legado musical para diferentes gerações. 

O ex-líder da Legião Urbana é até hoje idolatrado por jovens de sua geração e de outras que o conheceram mesmo depois de sua morte. Para celebrar a data e reverenciar a obra monumental do artista e de sua banda, estreou o tributo “Somos Tão Jovens” - em turnê que vai seguir por todo o Brasil. A estreia foi em Ribeirão Preto (SP).
Há quase 21 anos a música brasileira e milhares de fãs perderam Renato Russo e os shows lotados do Legião, mas as canções se perpetuaram e se consagraram como verdadeiros hinos da juventude – que, no dizer de Renato, “tem seu próprio tempo”, independente das gerações. São músicas de 20, 30 anos, mas que ainda são hits atuais, como Tempo Perdido, Quase sem Querer, Ainda é Cedo, Pais e Filhos, Eduardo e Mônica, Que país é este, Índios, Faroeste Caboclo, Monte Castelo e muitas outras – cantadas por fãs de diferentes idades.


A banda - Formada para o tributo, a banda reúne músicos que foram fãs de Renato Russo e viveram o auge da juventude dos anos 80 e 90, bem como integra um músico com 22 anos, que só conheceu o trabalho da Legião Urbana pelos pais, por outros fãs ou ainda por resgate de vídeos pela internet, além de discos de vinil, CDs e DVDs. O baterista Victor Grili, vem da banda PlayVinil; Evandro Grili, guitarrista e violonista no projeto, divide o palco com o filho Victor, bem como a paixão por tudo o que Renato produziu junto ou separado da Legião Urbana. O vocalista Sérgio Missão diz que a união de gerações na banda formada para o tributo é um fator de sucesso do projeto; a movimentação dos fãs e a procura por shows que remetam à época da Legião tem uma motivação para Eduardo De Lucca, baixista do tributo. Acredita na força das letras da banda para atrair os fãs. Sandro Resende, também guitarrista do tributo, analisa que tanto a música quanto as composições de Renato Russo, estão acima da definição de passadas ou atuais. “





SERVIÇO
Show: Tributo “Somos Tão Jovens” – Tributo Legião
Data: 18 de março de 2017 - Sábado
Horário: 21h
Local: Cine Teatro Vera Cruz
Valor: R$ 40 (inteira)  R$ 20 (meia)
Classificação: Livre

Venda de ingressos
On line pelo site www.pagueingresso.com.br
Ponto de venda na loja Polo Play do Shopping Uberaba, fone (34) 3336 5442
Cine Teatro Vera Cruz, com vendas somente no dia do show (18/3), fone (34) 3317-1476




terça-feira, 7 de março de 2017

SESI recebe peça que foca poder e assédio




Discurso sobre e incomunicabilidade humana são levados a cena no premiado espetáculo “Oleanna”, com  Luciana Fávero e Fernando Vieira, de autoria do dramaturgo David Mamet, que fará apresentação única em Uberaba, no próximo sábado (11),  às 20h, no Centro de Cultura José Maria Barra/Sesi, com entrada gratuita.
Sucesso de público e crítica, desde sua estreia em 2014 “Oleanna” não parou mais e caminha para sua 200ª apresentação. Realizou cinco temporadas no Rio de Janeiro, três em São Paulo, além dos circuitos Sesc e Sesi e Festivais como: Tiradentes, Porto Alegre em Cena, Garanhuns, Ilha Cumprida e Caxias do Sul. Em São Paulo realizou temporada no Sesc Pompeia onde rendeu o Prêmio Aplauso Brasil de Melhor espetáculo de Cia eleita pelo juri, além das indicações de Melhor Direção e Melhor Elenco e da Indicação do Premio APCA.
A proposta da peça consiste num espaço-confronto que envolve o espectador e o incita a dialogar, revendo conceitos nos temas abordados: poder, incomunicabilidade e o politicamente correto. "Oleanna" traz uma importante contribuição artística, política e social nos dias atuais, inspirando reflexões sobre poder, limite e comunicação.
No espetáculo, o público acompanha a impossibilidade de diálogo que se apresenta, além de ser testemunha das diferenças irreconciliáveis com que seres humanos se relacionam somadas às questões "politicamente corretas"; com que somos habituados e levados a conviver resultam numa total incompreensão e afastamento. A peça gerou diversas teses em vários países, reafirmando a importância da temática.
Desde a estreia a Cia realiza um debate com a plateia depois de cada apresentação. Esse debate foi crescendo, tomando consistência e se transformou numa ação tão importante quanto o próprio espetáculo, por tratar com o público assuntos tão controversos e instigantes, provocando além de uma catarse, a reflexão, o diálogo, dando a certeza da importância da comunicação direta. “Mamet dá um soco na boca do estômago... e no intelecto. Um malicioso e oportuno diálogo sobre assédio sexual e o politicamente correto. Pinter, Albee, Miller. Todos observam por sobre o ombro de Mamet.”

New York Times.Crítico Teatral
David Mamet é considerado um dos autores contemporâneos mais importantes da atualidade devido a características particulares de abordagem de temáticas atuais, da maneira questionadora com que trata assuntos delicados e conflituosos, pela maestria com que lida com diálogos "fragmentados"; e pela forma peculiar com que deixa a "decisão"; ou o "tomar partido" na mão do público, instigando, provocando, desafiando e tirando o fôlego da plateia.

Espetáculo da Trilogia Mamet chega a Uberaba



No ar como a angolana Laura, na novela "A Lei do Amor", da TV Globo, a atriz Heloisa Jorge integra o elenco de "Race", o II espetáculo da Trilogia Mamet, da Cia carioca Cia Teatro Epigenia, que será encenado em Uberaba, em sessão única, no próximo domingo (12), às 19h, no Centro de Cultura José Maria Barra/SESI, com entrada gratuita. Ela divide as principais cenas com o ator Gustavo Falcão.


Com três temporadas de sucesso no Rio de Janeiro e circulação pelo SESI RJ, o espetáculo chega a Minas Gerais, para oito apresentações em diferentes cidades. A montagem, elogiada pela critica especializada e com grande sucesso de público, foi indicado ao prêmio Shell 2016, para melhor ator
(Gustavo Falcão). Também estão no elenco os atores Leandro Vieira e Clóvis Gonçalves.
Race: corrida, raça, conta os bastidores da construção da defesa de um homem branco acusado de estuprar uma jovem, adulta, negra. Um prato cheio para Mamet levantar conflitos e mexer em feridas históricas com imensa inteligência.
“Race” coloca o público como protagonista no que tange à questão de quem tem razão, sempre deixando portas e janelas abertas para diversas interpretações, alimentando com nutrientes especiais as conversas pós-peça. A tensão de seu tema e a série de reviravoltas tornam "Race" uma das melhores obras de Mamet.
Um dos mais respeitados dramaturgos norte-americanos, David Mamet, que também é roteirista e diretor se tornou um ícone com seus textos densos, ágeis e precisos, chegando a ganhar o Pulitzer em 1984. Mamet costuma abordar em seus trabalhos questões atuais e pontos de vista controversos. Com uma reconhecida capacidade de lidar com as palavras e construir enredos, a linguagem tem
centralidade em sua obra. Os filmes e peças de Mamet se dirigem a questões extremamente cáusticas da sociedade.
Indicado ao Oscar de melhor roteiro adaptado por “The Verdict” (O veredito”, em 1981, três anos depois ganhou o prêmio Pulitzer com a peça “Glengarry Glen Ross”, adaptada logo após para o cinema. Mamet teve duas indicações ao Prêmio Tony, por "O Sucesso a Qualquer Preço" (1984) e "Speed-the- Plow" (1988).





SERVIÇO
Race
Texto: David Mamet / Direção: Gustavo Paso / Elenco: Gustavo Falcão,
Heloisa Jorge, Leandro Vieira e Clóvis Gonçalves / Gênero: Drama / Duração:
75 minutos / Classificação: 14 anos / Temporada: MG – Cidade: Uberaba
(12/3 –  SESI Uberaba – 20h/544 lugares. Apresentação gratuita.